Comentário da Lição da Escola Sabatina – 8

http://ligadonavideira.wordpress.com/category/a-licao-da-semana – “O que a Bíblia ensina” e “o que o mundo ensina” sobre os mortos e os vivos por ocasião da volta de Jesus? – Bem, eu não vejo motivo para debater o ERRO. Por que gastar tempo e espaço para falar das invenções do inimigo? Vamos abrir a Bíblia e mostrar o que nela encontramos. Em vez de propagar o ERRO, exaltemos a VERDADE.

Só existem dois lados: o lado sem Cristo e o lado com Cristo. Em Adão, a escolha da humanidade já foi feita: nós somos sem Cristo. Explico: com a desobediência, ele e sua esposa passaram da condição com Cristo para a sem Cristo. Os seus filhos, que somos nós, todos nascemos sem Cristo. Isso significa que todos nós devemos aguardar a morte, e sem esperança alguma. Quando e como vamos morrer é apenas um detalhe – mas a morte é certa.

Ocorre, porém, que o próprio Cristo tomou as rédeas da questão. Ele tornou-Se o Substituto da humanidade. Ofereceu-Se como sacrifício. Morreu a morte que nos cabia. A questão está, portanto, completamente paga. A justiça está satisfeita. A Lei está satisfeita também. Assim, a oferta foi aceita pelo Pai. O Pai, através de Cristo, novamente pode aceitar Adão e seus filhos. Então, os sem Cristo retornam a condição de com Cristo. Da morte sem esperança para a morte com esperança – se bem que alguns, por ocasião da volta  de Cristo, não experimentarão a morte.

O tema da lição desta semana (Os Mortos em Cristo – 1ª Tessalonicenses 4:13-18) faz parte do grande conflito entre Cristo e Satanás, cuja solução está garantida no Plano da Redenção. Então, cavoque um pouco mais. Vale à pena! Inclusive, esse tema é estudado em cursos bíblicos.

As palavras-chaves são: mortos em Cristo; mortos sem Cristo; vivos em Cristo; vivos sem Cristo; advento; primeira ressurreição; milênio; segunda ressurreição; juízo final.

Por ocasião do advento, os mortos em Cristo ressurgirão com vida plena. Serão por Ele chamados, participando da primeira ressurreição. Subirão ao encontro do Senhor. Seus corpos não mais terão traços do pecado. Desfrutarão da vida eterna. Os vivos em Cristo a eles se juntarão. Esplêndido! Magnífico! No Céu serão chamados de os remidos. Pleno acesso ao fruto da árvore da Vida. Eternamente na companhia de Jesus. Ah, será lindo o reencontro entre Adão e Jesus!

Já os mortos sem Cristo, estes continuarão em suas sepulturas. A eles se juntarão os vivos sem Cristo, mas que morrerão por ocasião do advento. Esses mortos – também chamados de ímpios, participarão da segunda ressurreição, que ocorrerá após o milênio. Lá, ressurgirão para ouvir a sentença final: o salário do pecado é a morte, a eterna.

Especificamente sobre a 8ª lição da Escola Sabatina, devemos lembrar que Paulo ficou por apenas três semanas em Tessalônica, e que não havia ainda os livros do Novo Testamento. Ora, a conversão para o cristianismo, então, era fundamentada simplesmente na aceitação de que Jesus era o Cristo, o Messias, o Salvador, o Ressuscitado, o Intercessor celestial. Seis meses depois de ter fugido da cidade, Paulo escreve para lhes dar detalhes doutrinários e teológicos, quem sabe em resposta à perguntas mais amadurecidas, ou em face a acontecimentos ocorridos entre eles – por exemplo: será que havia morrido algum novo cristão? Sendo que Cristo ainda não havia retornado, qual seria a solução para tal caso? Será que os pagãos e os judeus estavam colocando caraminholas na mente deles?

Ora, como isso não está claro no texto bíblico, falemos do que temos certeza: Paulo pede que não continuem em ignorância sobre a questão; explica em conformidade com a divina revelação, em coerência com as demais doutrinas bíblicas; não debate o ERRO; expõe a VERDADE; e pede que consolem-se uns aos outros.

Quando morre um querido, fica a saudade, a lembrança. Manifestamos tristeza e choramos. No entanto, agora estamos no lado com Cristo. Por enquanto há morte, mas é morte com esperança – esperança na primeira ressurreição, no Dia da volta de Jesus. E haverá um reencontro, para toda a eternidade.

Observação: Sentimos muito, mas o wordpress tem colocado publicidade ao final de nossos artigos. É lamentável!

About these ads
Esse post foi publicado em a lição desta semana e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Comentário da Lição da Escola Sabatina – 8

  1. “Paulo se dirigiu aos tessalonicenses como pessoas que se haviam desviado das práticas da idolatria pagã para o serviço de Cristo. Vagas ideias pagãs com respeito ao estado dos mortos ainda estavam mais ou menos misturadas com a nova fé. Mas aqueles que claramente compreenderam a verdade da ressurreição, pela doutrina pregada por Paulo, foram grandemente confortados. A consoladora esperança que eles assim receberam, de que os justos mortos ressuscitariam da sepultura para uma vida santa e imortal, estava em assinalado contraste com suas anteriores ideias pagãs sobre a morte”. (Paulo, o Apóstolo da Fé e da Coragem, págs. 114-116 / extraído de “Comentários de Ellen G. White sobre a Lição da Escola Sabatina dos Adultos”, 20.08.2012).

  2. Os mortos em Cristo (1Ts 4:13-18)

    Sábado à tarde
    VERSO PARA MEMORIZAR: “Porquanto o Senhor mesmo, dada a Sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” (1Ts 4:16).
    Leituras da semana: 1Ts 4:13-18; At 17:3; 1Co 15:20-23, 51-58; Jo 5:28, 29; Ap 20:4-6
    Pensamento-chave: Paulo apresentou aos tessalonicenses (e a nós) uma poderosa esperança para o futuro, a promessa da segunda vinda de Cristo.
    No texto para esta semana (1Ts 4:13-18), Paulo estava reagindo a uma incompreensão teológica entre os tessalonicenses. Embora não estejamos inteiramente certos sobre qual tenha sido o erro, alguns membros estavam definitivamente angustiados a respeito do destino dos crentes que morreram antes da volta de Jesus. A questão parece ter sido sobre a diferença entre os que morressem antes desse evento e os que estivessem vivos quando ele acontecesse.
    Nesta semana, examinaremos o que sabemos sobre a situação que levou Paulo a escrever 1 Tessalonicenses 4:13-18. Nessa passagem, ele não apenas corrigiu os equívocos do primeiro século, mas estabeleceu um fundamento seguro para os cristãos do século 21. “Certamente, o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o Seu segredo aos Seus servos, os profetas” (Am 3:7). E por meio do ministério profético do apóstolo Paulo, o Senhor nos revelou verdades maravilhosas sobre a natureza da segunda vinda de Jesus. Ao estudar esses versos, com atitude de oração, reflitamos sobre a esperança incrível que neles encontramos.

    Domingo
    A situação em Tessalônica
    1. Leia 1 Tessalonicenses 4:13-18. Com base nos indícios dessa passagem, que falsas crenças na igreja de Tessalônica trouxeram sofrimento desnecessário àqueles que as sustentavam?
    Dentro do judaísmo dos dias de Paulo, prevalecia uma variedade de pontos de vista em relação ao tempo do fim. Um desses pontos de vista foi, de alguma forma, introduzido na igreja de Tessalônica. Apesar de não termos certeza de qual tenha sido exatamente esse ponto de vista, parece ter sido a ideia de que todos os fiéis de Deus teriam participação no “mundo por vir”, mas somente os que estivessem vivos no fim seriam levados para o Céu. Os que morreram antes do fim seriam ressuscitados e permaneceriam na Terra.
    Em tal sistema de crenças, morrer antes do fim seria uma séria desvantagem. Mas isso também significaria uma separação entre os que fossem levados para o Céu e os que fossem deixados na Terra. Se os tessalonicenses a quem Paulo escreveu vivessem até o fim, eles realmente subiriam ao Céu na segunda vinda de Jesus, mas teriam que deixar seus entes queridos falecidos na Terra (1Ts 4:13, 14).
    Não é de admirar, portanto, que Paulo tenha começado 1 Tessalonicenses 4:13-18 com um comentário sobre a ignorância da igreja, e não com a expressão “vós mesmos sabeis muito bem”, que aparece em outros lugares (1Ts 5:2; 4:2). Em relação à profecia sobre a segunda vinda de Cristo, havia coisas importantes que a igreja não sabia e outras que ela precisaria desaprender.
    Ao pensarmos na profecia, devemos lembrar que ela não é dada para satisfazer nossa curiosidade sobre o tempo dos acontecimentos e sobre detalhes dos eventos do tempo do fim. A profecia tem um propósito ético e moral. Deus a designou para nos ensinar a viver. Ela foi planejada para nos dar incentivo e propósito, especialmente em meio ao sofrimento e perda. Corretamente compreendidas, as profecias da Bíblia têm o poder de mudar a vida. Em outras palavras, embora seja importante crer como adventistas (o que significa crer na profecia bíblica), é ainda mais importante viver como adventistas.
    O que significa “viver como um adventista?” Comente sua resposta com a classe.

    Segunda
    Tristeza e falta de esperança (1Ts 4:13)
    2. De acordo com 1 Tessalonicenses 4:13, qual foi o propósito de Paulo ao escrever os versos 13-18? Por que esse texto deve significar tanto para nós?
    Por que os cristãos tessalonicenses estavam tristes, como se não tivessem esperança? Um fator importante foi, provavelmente, o curto período em que Paulo esteve com eles. Sabemos que Paulo falou sobre a morte e ressurreição de Jesus (At 17:3). Há também evidência de que ele falou sobre os eventos finais, ainda que sua instrução tenha sido mal compreendida. Mas ele pode não ter tido tempo para esclarecer questões relacionadas com a ressurreição dos crentes.
    Outro elemento era a origem pagã da maioria dos cristãos a quem Paulo escreveu (1Ts 1:9). Embora as religiões misteriosas da época mostrassem uma imagem da vida após a morte, a maioria dos pagãos não tinha esperança quanto a isso. Um exemplo disso é encontrado em uma carta do segundo século: “Irene para Taonnophris e Philo: bom ânimo. Estou tão triste e angustiada por causa dos que morreram quanto chorei por Didymas. E todas as coisas, tudo que fosse apropriado, eu tenho feito, e todos os meus, Epafrodito, Thermuthion, Philion, Apolônio e Plantas. No entanto, contra tais coisas não se pode fazer nada. Portanto, consolem uns aos outros. Passem bem” (Citado em Adolf Deissmann, Light From the Ancient East [Luz do Antigo Oriente]; New York: George H. Doran Company, 1927, p. 176).
    É irônico que essa carta a uma mãe que perdera seu filho termine com as mesmas palavras de 1 Tessalonicenses 4:18, ainda que tenham um toque radicalmente diferente. Confortar uns aos outros, mesmo que não haja esperança? Era isso que ela estava dizendo. Que contraste com o que Paulo expressou aos tessalonicenses!
    O propósito de Paulo para a passagem é descrito nas frases contrastantes no início e no fim. Paulo escreveu para que eles não se entristecessem como os que não têm esperança (1Ts 4:13). E ele pretendia que a verdade sobre a natureza da segunda vinda de Jesus desse a eles razões gloriosas para confortar uns aos outros em tempos de perda (1Ts 4:18).
    Alguém uma vez disse: “Com o passar do tempo, estaremos todos mortos.” Da perspectiva totalmente humana, isso está correto. Da perspectiva bíblica, no entanto, essa visão é muito estreita. Que grande esperança temos em Jesus e como podemos aprender a ter conforto nessa esperança agora?

    Terça
    Morte e ressurreição (1Ts 4:14)
    3. Que esperança Paulo oferece em relação aos que já morreram? 1Ts 4:14
    No verso 14, Paulo oferece a solução para o problema da tristeza desesperada. Na língua original, ele descreveu os crentes que morreram como tendo dormido em Jesus. Embora, nos tempos do Novo Testamento, dormir tenha sido uma metáfora comum para a morte, a expressão normal para a morte de um crente é “dormir em Jesus” ou “em Cristo”. Um bom exemplo disso é a expressão “os mortos em Cristo”, do verso 16.
    Uma segunda questão com o texto é a ideia de que Deus “trará, em Sua companhia, os que dormem.” Alguns leem essa frase como significando que os que morreram em Cristo (e se presume que foram para o Céu no momento da morte) retornarão com Jesus quando Ele vier. Mas essa interpretação contradiz o próprio ensino de Paulo no verso 16, de que a ressurreição dos cristãos mortos ocorrerá na segunda vinda e não antes.
    4. Como 1 Coríntios 15:20-23, 51-58 nos ajuda a entender a ideia de 1 Tessalonicenses 4:14?
    Podemos entender o que ele estava dizendo se prestarmos muita atenção ao ponto principal que Paulo estava apresentando. Ele estava traçando um paralelo entre a morte e a ressurreição de Jesus e a morte e ressurreição do crente. Para Paulo, a ressurreição de Jesus, ainda recente em seus dias, era a garantia de que todos os crentes também seriam ressuscitados na segunda vinda de Cristo (1Co 15:20-23). A teologia de Paulo é consistente. “Se cremos” (1Ts 4:14) na morte e ressurreição de Jesus, devemos também acreditar na ressurreição dos que morreram como verdadeiros seguidores de Jesus.
    Assim, ele usou a expressão “mediante Jesus” da mesma forma que utilizou as palavras “em Cristo” no verso 16. Com isso, estava dizendo aos tessalonicenses que seus irmãos e irmãs mortos não permaneceriam na Terra quando os crentes vivos subissem ao Céu. Todos subirão juntos (Jo 14:1-3). Deus não “trará” os cristãos ressuscitados para a Terra quando Jesus voltar; em vez disso (como Ele fez com Jesus), o Senhor os “tirará” do sepulcro e, juntamente com os vivos, os levará para o Céu. Assim como a ressurreição de Jesus precedeu Sua ascensão ao Céu, igualmente ocorrerá com os Seus seguidores fiéis.

    Quarta
    Ressuscitar em Cristo (1Ts 4:15, 16)
    Em 1 Tessalonicenses 4:13–5:11, Paulo se fundamentou nos ensinamentos de Jesus. Há mais de uma dúzia de paralelos entre essa passagem acerca do tempo do fim e as declarações de Jesus registradas em Mateus, Marcos e Lucas. Mas quando Paulo falou sobre a “palavra do Senhor”, em 1 Tessalonicenses 4:15, estava se referindo a uma declaração de Jesus que não foi incluída nos quatro evangelhos, mas que o apóstolo preservou para nós (outro exemplo claro desse procedimento é visto em Atos 20:35).
    5. De acordo com Paulo, o que acontecerá quando Cristo voltar? 1Ts 4:15, 16; Ap 1:7; Mt 24:31; Jo 5:28, 29; At 1:9-11
    A segunda vinda de Jesus será um evento estrondoso, acompanhada pelo brado de comando de um arcanjo e pela trombeta de Deus. Todos a ouvirão e verão (Ap 1:7; Mt 24:31; Jo 5:28, 29; At 1:9-11).
    Mas o ponto-chave para Paulo era a ordem dos eventos quando Jesus vier. Os tessalonicenses haviam chegado a acreditar que morrer antes da volta de Jesus implicaria em algum tipo de desvantagem na eternidade, provavelmente eterna separação física dos que vivessem até a segunda vinda de Cristo.
    Nesse texto, Paulo assegurou aos tessalonicenses que os crentes vivos não precederão nem terão vantagem sobre os mortos. Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro (Ap 20:4-6). Isso acontecerá antes que os vivos subam ao encontro de Jesus nos ares (1Ts 4:17). Os justos mortos serão ressuscitados e receberão a imortalidade com os que estiverem vivos quando Ele voltar.
    Essa passagem não ensina que os crentes vão para o Céu quando morrem. Se Paulo tivesse ensinado aos crentes de Tessalônica que seus entes queridos falecidos estavam no Céu, por que eles estariam tristes? Ele se havia esquecido de lhes dar essa esperança? Em vez disso, o conforto que Paulo ofereceu foi o conhecimento de que a ressurreição iria reuni-los com seus amados.
    Pense em tudo o que acontecerá na segunda vinda de Cristo: Jesus virá no céu, todos O verão, os mortos serão trazidos à vida, os justos vivos receberão a imortalidade e todos serão levados juntos para o Céu. Em certo sentido, isso é muito irracional e totalmente contra o que o senso comum, a experiência e até mesmo a ciência nos ensinam. No entanto, é nisso que devemos acreditar; caso contrário, não temos esperança. Se você pode confiar no Senhor em uma coisa assim, como pode não confiar nEle nas as coisas “menores” com as quais está lutando?

    Quinta
    Consolem uns aos outros (1Ts 4:13, 17, 18)
    6. Leia 1 Tessalonicenses 4:13, 17, 18. Qual é o objetivo final dessa passagem sobre a segunda vinda de Jesus?
    Como dissemos anteriormente, o propósito da profecia não é satisfazer nossa curiosidade sobre o futuro, mas nos ensinar a viver hoje. Para Paulo, a ordem dos eventos finais tinha implicações práticas para a vida cristã cotidiana. A profecia é valiosa na medida em que influencia nosso relacionamento com Deus e com os outros. Nesse caso, Paulo quis usar os eventos dos últimos dias para trazer conforto àqueles que perderam entes queridos.
    7. Que aspectos importantes da segunda vinda de Jesus não são abrangidos em 1 Tessalonicenses 4:16, 17? Jo 14:1-3; Mt 24:31; At 1:9-11
    Esse texto diz que os crentes se unirão a Jesus nos ares para estar com Ele para sempre. O tema principal é o ato de se reunir uns com os outros e estar com Jesus. O texto não explica para onde eles irão após o encontro inicial nos ares, embora Paulo não tenha dito claramente que, na segunda vinda, Jesus e os crentes descerão do Céu para a Terra e reinarão ali. Na verdade, dentro da própria passagem, o movimento dos santos é apenas para cima. Os crentes mortos primeiro se erguem de seus túmulos. Em seguida, eles e os crentes vivos sobem juntos para encontrar seu Senhor nos ares.
    Paulo provê informações adicionais em 1 Coríntios 15:23, 24. Ali, ele traça um forte paralelo entre a experiência de Jesus e dos que estão “em Cristo.” Jesus ressuscitou e subiu ao Céu como as “primícias”, o que implica que os que estão nEle terão uma experiência similar.
    O destino imediato dos santos é esclarecido fora dos escritos de Paulo, em João 14:1-3. Quando Jesus vier, levará Seus discípulos para estar onde Ele está (Céu). Ele não virá para Se unir a eles onde eles estão (na Terra). Por isso, os adventistas creem que, durante os mil anos após a volta de Jesus (Ap 20:4-6), os justos estarão com Ele no Céu, os maus estarão mortos e Satanás estará confinado à Terra, sem ninguém para tentar nem aborrecer. Somente após todos os eventos associados com o milênio, os fiéis voltarão a habitar na Terra (2Pe 3:13; Ap 3:12).
    Considere como a nossa grande esperança é uma coisa do “outro mundo”. Entretanto, como poderia ser diferente? Afinal, que esperança real este mundo nos oferece em longo prazo? Como podemos aprender a não ficar tão envolvidos naquilo que não nos traz nenhuma esperança?

    Sexta
    Estudo adicional
    Muitos dão a esta passagem [1Ts 4:14] a interpretação de que os que dormem serão trazidos com Cristo do Céu; mas Paulo quis dizer que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos, também Deus chamará de suas sepulturas os santos que dormem e os levará consigo para o Céu” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 259).
    “Os tessalonicenses tinham se apegado com avidez à ideia de que Cristo havia de vir para transformar os fiéis que estivessem vivos, levando-os com Ele. Haviam cuidadosamente guardado a vida de seus amigos, para que não morressem e perdessem assim a bênção que eles aguardavam receber na vinda de seu Senhor. Porém, um após outro, seus amados foram separados deles. Com angústia, os tessalonicenses tinham contemplado pela última vez o rosto de seus mortos, quase não ousando esperar encontrá-los na vida futura.
    “Ao ser a epístola de Paulo aberta e lida, grande alegria e consolação foi levada à igreja pelas palavras que revelavam o verdadeiro estado dos mortos. Paulo mostrou que os que estivessem vivos quando Cristo voltasse não iriam ao encontro do seu Senhor precedendo os que tinham dormido em Jesus” (Ibid., p. 258).
    Perguntas para reflexão
    1. Comente o significado de “viver como adventista”. Que aspectos de nossas crenças devem ser refletidos em um estilo de vida distintivo?
    2. Pense na queda da humanidade, no plano da salvação, e na promessa da vida eterna. O que Jesus fez que nos dá a esperança de que a morte não será para sempre? Como a ressurreição de Jesus nos oferece esperança de que nós seremos ressuscitados? Como podemos obter conforto no plano da salvação, especialmente quando a morte parece tão definitiva, tão completa e tão implacável?
    3. Peça que a classe leia 1 Tessalonicenses 4:13-18. Que esperança encontramos no texto?

    Resumo: Paulo corrigiu uma série de equívocos sobre o estado dos mortos e os acontecimentos em torno da volta de Jesus. Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro, e todos os crentes subirão ao encontro dEle. Os fiéis podem obter grande conforto em saber que a separação dos entes queridos cristãos é apenas temporária.

    Respostas sugestivas: 1: Pensavam que os que morriam antes da vinda de Jesus, teriam alguma desvantagem na vinda de Jesus ou não ressuscitariam. 2: Explicar a verdade a respeito dos que dormem; colocar no coração dos cristãos a esperança em lugar da tristeza. 3: Se Jesus ressuscitou, Deus trará os que dormem na companhia de Jesus. 4: Jesus foi as primícias da ressurreição; na Sua volta, o restante dos mortos ressurgirão; a ressurreição de Cristo abriu o caminho da vitória sobre a morte; quando a trombeta soar, os mortos ressuscitarão incorruptíveis. 5: Os mortos em Cristo ressuscitarão; Seu povo será reunido; todo olho O verá; Ele voltará de modo literal e corporal; todas as tribos se lamentarão. 6: Instruir, alegrar e trazer esperança de vida eterna e consolo. 7: Na segunda vinda, Jesus não ficará na Terra, mas levará Seu povo para a casa do Pai; os anjos serão enviados a todos os lugares da Terra para reunir os salvos; Jesus voltará assim como foi visto subir.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s